• Equipe
    Especializada

    Contamos com uma equipe de veterinários a disposição do clínico para dúvidas e trocas de experiências. Oferecemos palestras para educação continuada de nossos clientes

    equipe especializada
  • Exames de Cultura e Antibiograma
    liberados em 48h

    Dependendo do crescimento bacteriano

    antibiograma animal
  • Endocrinologia

    Exames hormonais realizados

    DIARIAMENTE
    .

    endocrionologia animal
  • Imunologia

    • Cinomose       • PIF
    • Leptospirose • Ehrlichiose (TITULAÇÃO)
      entre outros

    LIBERADOS NO MESMO DIA

    imunologia
  • Rapidez na
    entrega de exames

    Resultados rápidos e precisos por e-mail
    ou no site.

    sentrega de exames
Exames laboratoriais veterinarios
Manual de exames

Brucelose Ovina - Brucella ovis e Brucella spp (B. abortus, B. melitensis, B. suis)

Material: 1,0ml de soro. Estabilidade:7 dias R ou 3 meses C.

Método: ELISA

Comentários: 

O kit utiliza um conjugado “Anti-multi-species-IgG-HRP” e pode ser realizado em Ruminantes e Suínos.

A brucelose em ovinos é uma enfermidade crônica causada especificamente por

B. ovis (ROBLES, 1998), caracterizada por induzir lesões genitais, caracterizadas por

epididimite e sêmen de qualidade variável (MEGID; MATHIAS; ROBLES, 2010),

podendo resultar em subfertilidade ou infertilidade nos machos (CARVALHO JUNIOR

et al., 2010), abortamentos nas fêmeas e mortalidade de cordeiros (XAVIER et al.,

2009). B. mellitensis e, raramente, B. abortus podem causar a doença em ovinos, sendo

que a ocorrência dessas bactérias nesses animais está associada à criação consorciada de

caprinos, bovinos e ovinos (OCHOLI et al., 2005), ademais, B. mellitensis não foi

diagnosticada no Brasil (BRASIL, 2006).

As lesões causadas por B. ovis se restringem ao trato reprodutor de fêmeas e

machos, concentrando-se no epidídimo, testículo e vesículas seminais (CARVALHO

JUNIOR et al., 2010; PAULIN, 2003), enquanto nas fêmeas B. ovis ocasiona cervicite e

endometrite, podendo ou não estar associada a abortamentos (CARVALHO JUNIOR et

al., 2010).

O curso inicial da brucelose ovina é caracterizado por um quadro febril, desgaste

físico, dispneia e inflamação dos órgãos genitais, sendo que nestes tecidos, a infecção

pode se manifestar de forma aguda ou crônica (MEGID; MATHIAS; ROBLES, 2010).

Nos casos agudos, os testículos apresentam-se aumentados de tamanho, há edema,

exsudato fibrinoso na região da túnica vaginal, hiperemia testicular e edema do epidídimo. 

Por outro lado, na fase crônica há o surgimento de regiões hipertrofiadas e

endurecidas à palpação testicular, deformações na cauda do epidídimo e a bolsa escrotal

pode apresentar aderências fibrosas, obstruindo a cavidade que separa as túnicas

(ROBLES, 1998).

B. ovis pode provocar epididimite e redução da fertilidade dos carneiros, com

sêmen de má qualidade, que apresenta concentração e motilidade espermática reduzidas

(ESTEIN, 1999). A má qualidade do sêmen se deve à presença de lesões palpáveis no

epidídimo, principalmente quando ambos estão afetados, pois a epididimite pode ser uni

ou bilateral, mas comumente é unilateral, e as lesões testiculares são sempre secundárias

à epididimite, ocorrendo principalmente atrofia testicular. Alterações nas vesículas

seminais podem ser encontradas, incluindo edema e aumento de volume (CARVALHO

JUNIOR et al., 2010).

As lesões causadas pela B. abortus são mais intensas no útero de vacas e búfalas,

onde há grande concentração de eritritol, entretanto, pode ocasionar abortamentos e

retenção placentária em ovelhas. Nos machos, as lesões são semelhantes àquelas

provocadas por B. ovis, tais como, reações inflamatórias uni ou bilaterais do epidídimo,

testículo e vesícula seminal, com aumento de volume ou atrofia dos órgãos. Além disso,

B. abortus pode provocar inflamações articulares, como as bursites (PAULIN, 2003) e,

no homem, febre, dores articulares, sudorese, calafrios e ocasionalmente, inflamações

dos órgãos genitais e endocardites (BORGES et al., 2009).

Prazo: 3 dias úteis.

Código: 344