• Equipe
    Especializada

    Contamos com uma equipe de veterinários a disposição do clínico para dúvidas e trocas de experiências. Oferecemos palestras para educação continuada de nossos clientes

    equipe especializada
  • Exames de Cultura e Antibiograma
    liberados em 48h

    Dependendo do crescimento bacteriano

    antibiograma animal
  • Endocrinologia

    Exames hormonais realizados

    DIARIAMENTE
    .

    endocrionologia animal
  • Imunologia

    • Cinomose       • PIF
    • Leptospirose • Ehrlichiose (TITULAÇÃO)
      entre outros

    LIBERADOS NO MESMO DIA

    imunologia
  • Rapidez na
    entrega de exames

    Resultados rápidos e precisos por e-mail
    ou no site.

    sentrega de exames
Exames laboratoriais veterinarios
Manual de exames

Rickettsia rickettsii – Febre Maculosa

Material: 0,5 ml de soro.

Método: ELISA

Prazo: 4 dias úteis.

Código: 65


A febre maculosa, conhecida também como febre maculosa brasileira (FMB), é uma doença que pode ser fatal em humanos, caso não seja tratada precocemente. É causada por rickettsias do grupo da febre maculosa (GFM) e tem como principal agente causal Rickettsia rickettsii, responsável também pela febre maculosa das Montanhas Rochosas (FMMR) nos Estados Unidos. No Brasil, o principal vetor das rickettsias do GFM é o carrapato Amblyomma cajennense

 

Patogenia:

R. rickettsii é transmitida ao cão através da picada de um carrapato infectado. O período de incubação é de 2-14 dias, que é seguido pela entrada no sistema circulatório do animal. O organismo, em seguida, invade as células endoteliais dos vasos e capilares e começa a replicar, causando uma vasculite. A replicação da bactéria pode levar a edema, hemorragia, choque, e colapsos. Extravasamentos vasculares também desencadeiam a ativação das plaquetas do animal e do sistema de coagulação.

 

Sinais clínicos:

Embora a doença seja normalmente auto-limitada e de cerca de duas semanas de duração em cães, há evidências recentes de que quando não tratada, pode levar à morte dos animais afetados.

 

O achado clínico mais consistente é a febre, aproximadamente 2 a 3 dias após a picada do carrapato.

Petéquias, equimoses e hemorragias associadas à destruição das plaquetas, em resposta a vasculite são vistos frequentemente em superfícies mucosas expostas no cão. A vasculite também pode causar edema nas extremidades, incluindo o escroto, prepúcio, e as orelhas dos cães afetados.

 

As lesões oculares são frequentemente associados a febre maculosa e resultam de vasculite e hemorragia. Uveíte hiperemia conjuntival, hemorragia da retina, e ao anterior também têm sido associadas. Essas lesões oftalmológicas tendem a ser leves e geralmente ocorrem bilateralmente.

Sintomas neurológicos inespecíficos também foram reportados em alguns casos.