• Equipe
    Especializada

    Contamos com uma equipe de veterinários a disposição do clínico para dúvidas e trocas de experiências. Oferecemos palestras para educação continuada de nossos clientes

    equipe especializada
  • Exames de Cultura e Antibiograma
    liberados em 48h

    Dependendo do crescimento bacteriano

    antibiograma animal
  • Endocrinologia

    Exames hormonais realizados

    DIARIAMENTE
    .

    endocrionologia animal
  • Imunologia

    • Cinomose       • PIF
    • Leptospirose • Ehrlichiose (TITULAÇÃO)
      entre outros

    LIBERADOS NO MESMO DIA

    imunologia
  • Rapidez na
    entrega de exames

    Resultados rápidos e precisos por e-mail
    ou no site.

    sentrega de exames
Exames laboratoriais veterinarios
Manual de exames

Cinomose – Imunocromatografia Ag

Amostra: 0,5 ml de soro ou plasma (EDTA), secreção vaginal, ocular ou urina.

Método: Imunoensaio Cromatográfico - Antígeno. Sensibilidade 98,8% e Especificidade 97,7%.

Condições de coleta: Jejum não obrigatório. A vacinação não influencia o resultado do teste. O soro ou plasma pode ser armazenado por até 7 dias entre 2 e 8 graus. Para armazenar por mais tempo congelar. Amostras hemolisadas ou lipêmicas não afetam o resultado. Para coleta de secreções usar um swab sem meio umedecido em soro fisiológico, enviar ao laboratório no mesmo dia.

Valor de Referência: Negativo.

RECOMENDAÇÕES QUANTO A UTILIZAÇÃO DAS AMOSTRAS.

0 – 3 DIAS DE INFECÇÃO:

Nenhuma amostra – período onde não é evidenciada uma titulação viral detectável nas amostras recomendadas para o teste.

4 – 6 DIAS DE INFECÇÃO:

Melhor amostra – SANGUE TOTAL/SORO.

Segunda Opção: Conjuntiva.

Nesta fase estará ocorrendo viremia e não há ainda uma produção de

anticorpos pelo organismo animal. Alguns animais (em torno de 50%) podem já apresentar nesta fase uma multiplicação viral nas células epiteliais e sendo assim estar liberando vírus pela secreção conjuntival. O animal pode apresentar nesta fase sintomas leves como perda de apetite, hipertermia, prostração leve, lacrimejamento, etc.

OBS: Devido à multiplicação do vírus da Cinomose ocorrer no interior das células mononucleares do sangue, alguns autores recomendam que seja utilizada amostra de sangue total no lugar do soro.

7 a 14 DIAS DE INFECÇÃO:

Melhor amostra – CONJUNTIVA

Segunda opção: SANGUE TOTAL/SORO

Esta é a fase de maior intensidade de multiplicação viral nas células epiteliais, por isto recomendamos a utilização de amostras de conjuntiva. Cerca de 98% dos animais afetados apresentam uma multiplicação viral nas células epiteliais.

Nas amostras de soro alguns animais (25 a 50%) podem apresentar uma alta titulação de anticorpos no sangue promovendo assim uma neutralização do CDV não sendo então detectado pelo teste. Nesta fase o animal apresenta sintomas leves, porém um pouco mais evidentes como lacrimejamento excessivo, perda de peso, anorexia, febre, prostração e leucopenia.

14 a 28 DIAS DE INFECÇÃO:

Melhor Amostra – CONJUNTIVA

Segunda Opção – não recomendamos a utilização de nenhuma outra amostra.

Esta é a fase dos sintomas mais severos como dispnéia (quadro respiratório), vômito, diarréia, conjuntivite, lesões dermatológicas, perda de peso excessiva, leucopenia severa e 30 a 50% dos animais podem apresentar convulsões. Esta é a fase também de maior mortalidade. Isto é um sinal que o animal não está

respondendo a infecção. Animais que apresentam este quadro mostram uma liberação viral em amostras de conjuntiva em quase 100% dos casos. Já a titulação viral no sangue é geralmente é baixa, não sendo recomendado a utilização de amostras de soro.

Outros animais podem apresentar uma melhora clínica ou uma estagnação do quadro clínico indicando assim uma resposta imunológica suficiente. Neste caso o animal pode vir a apresentar resultado falso-negativo no teste mesmo em amostras de conjuntiva, pois não estará liberando mais vírus pelas secreções de células epiteliais.

ACIMA DE 29 DIAS:

Melhor Amostra – CONJUNTIVA (Animais com sintomas sistêmicos sem sintomas neurológicos).

Melhor Amostra – FLUÍDO CÉREBRO ESPINHAL – LÍQUOR (Animais com sintomas neurológicos como convulsões, mioclonias e paralisias sem sintomas sistêmicos graves).

Cerca de 5 a 15% dos animais que desenvolvem a doença na sua forma mais grave chegam nesta fase. Isto é devido a vários fatores (ligados à cepa viral, resposta imunológica, etc.). Nos animais que apresentam sintomas neurológicos a multiplicação do CDV estará ocorrendo quase que exclusivamente no tecido nervoso. Por isto nestes casos não é indicado o uso do teste em amostras de conjuntiva, sendo líquor a amostra de escolha. Vale lembrar que nesta fase alguns animais podem apresentar sintomas respiratórios o que geralmente está ligado a infecções secundárias e não pela multiplicação viral.

Prazo: mesmo dia.

Código: 145