• Equipe
    Especializada

    Contamos com uma equipe de veterinários a disposição do clínico para dúvidas e trocas de experiências. Oferecemos palestras para educação continuada de nossos clientes

    equipe especializada
  • Exames de Cultura e Antibiograma
    liberados em 48h

    Dependendo do crescimento bacteriano

    antibiograma animal
  • Endocrinologia

    Exames hormonais realizados

    DIARIAMENTE
    .

    endocrionologia animal
  • Imunologia

    • Cinomose       • PIF
    • Leptospirose • Ehrlichiose (TITULAÇÃO)
      entre outros

    LIBERADOS NO MESMO DIA

    imunologia
  • Rapidez na
    entrega de exames

    Resultados rápidos e precisos por e-mail
    ou no site.

    sentrega de exames
Exames laboratoriais veterinarios
Manual de exames

Amilóide A sérica (SAA)
SINONIMO: Proteina Amiloide A, Amiloidose, Amiloide A, Amiloide A Serica, Amiloide, Proteina Amiloide A, Proteina Mieloide A, Amiloidose A
Material: Soro 0,5ml. Estabilidade: TA - 5 dias e R - 2 meses
Condições de coleta: Jejum não obrigatório.
Comentários: A SAA tem sido considerada uma das mais importantes PFAs (ECKERSALL & BELL 2010). Na reação de fase aguda em cães a SAA tem sua concentração elevada em torno de 10 vezes o valor normal, se igualando ao aumento que ocorre na proteína C reativa (PETERSEN et al., 2004). Entretanto, MURATA et al. (2004), consideram a elevação da amilóide A sérica moderada, variando de duas a 10 vezes, em contraste com a proteína C reativa, que tem seus valores plasmáticos elevados em 10 a 100 vezes.
Em consequência a processos inflamatórios decorrentes de injúria, trauma ou infecção de um tecido, há síntese e liberação das proteínas de fase aguda (PFA), que surgem precocemente na circulação sanguínea. Suas concentrações séricas relacionam-se à severidade da afecção e à extensão das lesões teciduais. Na espécie equina, a Amiloide A sérica (SAA) é considerada a PFA mais sensível, mudando suas concentrações séricas rapidamente perante um dano tecidual ou inflamação aguda (CYWINSKA et al., 2010). Dessa forma, suas quantificações podem prover informações diagnósticas e prognósticas importantes, se mensuradas em tempo ideal (MURATA et al., 2004). 
No monitoramento da prenhez os níveis SAA estudos demonstram que este esta aumentada mais de 20 vezes em cavalos nas primeiras fases embrionárias. Assim como monitoramento pós-cirúrgico e monitoramento da doença articular. A avaliação de marcadores inflamatórios como a proteínas de fase aguda (APPs) pode refletir o tipo e a severidade dos processos patológicos subjacentes de cavalos com dor abdominal aguda (cólica). Essa avaliação pode, portanto, auxiliar a avaliação clínica. APPs são principalmente produzidas no fígado, em resposta à inflamação sistêmica e são caracterizadas por um rápido aumento acentuado em resposta à inflamação e rápido retorno à normalidade após a resolução da doença. No entanto, em resposta a estímulos da inflamação local, ocorre uma síntese extrahepática de APPs em equinos como amilóide sérico A (SAA) e haptoglobin, descrita em vários tecidos incluindo o epitélio intestinal de ratos. Avaliação de APPs no líquido peritoneal (PF) poderia, assim, possivelmente, fornecer informações rápidas e específicas relativas a inflamação intra-abdominal. A SAA é elevada no soro de cavalos com cólica.
Método: Fluorescência
Prazo: 1 dia
Código: 902