• Equipe
    Especializada

    Contamos com uma equipe de veterinários a disposição do clínico para dúvidas e trocas de experiências. Oferecemos palestras para educação continuada de nossos clientes

    equipe especializada
  • Exames de Cultura e Antibiograma
    liberados em 48h

    Dependendo do crescimento bacteriano

    antibiograma animal
  • Endocrinologia

    Exames hormonais realizados

    DIARIAMENTE
    .

    endocrionologia animal
  • Imunologia

    • Cinomose       • PIF
    • Leptospirose • Ehrlichiose (TITULAÇÃO)
      entre outros

    LIBERADOS NO MESMO DIA

    imunologia
  • Rapidez na
    entrega de exames

    Resultados rápidos e precisos por e-mail
    ou no site.

    sentrega de exames
Exames laboratoriais veterinarios
Manual de exames
Dimetilarginina simétrica (SDMA) – Caninos e Felinos

Material: 1,0ml de soro ou plasma EDTA.
Condições de coleta: Jejum não obrigatório. Enviar em 3 dias refrigerado ou em até 20 dias congelado.
Comentários: SDMA é um novo biomarcador renal, que deve ser executado ao lado de creatinina , uréia e um exame de urina para ajudar a diagnosticar a doença renal mais cedo e com
mais confiança.Há uma íntima relação entre valores aumentados de SDMA e DRC, fator justificado pela dificuldade de excreção desta substância.
Porque SDMA é quase exclusivamente eliminada por filtração renal , é uma boa estimativa da taxa de filtração glomerular ( TFG ) .
SDMA aumenta , em média, com 40 % de perda de função renal. A creatinina não aumenta até 75 % da função renal seja perdida .
SDMA não é impactada por fatores extra-renais que impactam a creatinina. Em particular , não é impactada pela massa corporal magra e , portanto, reflete com mais precisão a TFG em animais caquéticos e idosos.
Método: ELISA 
Valor de Referência: 9 a 14 (microg/dL)
Prazo: 5 dias úteis.
Código: 964

Diagnóstico precoce da doença renal; SDMA tem a melhor relação com a taxa de filtração glomerular!
De acordo com um estudo recente realizado em 32 gatos idosos saudáveis por pesquisadores da Universidade do Estado de Oregon um biomarcador recém-descoberto pode fornecer detecção precoce da doença renal crônica.
O estudo mostrou que o biomarcador, chamado SDMA (Dimetilarginina simétrica) é a melhor maneira de medir a função renal em gatos mais velhos. Este novo biomarcador identifica o aparecimento da doença renal em uma média de 17 meses antes do teste padrão para esta doença, que mede os níveis de creatinina no soro.
A creatina surge da proteína muscular, mas dado que à medida que envelhecem, na maioria dos gatos perdem massa magra do corpo, os níveis de creatina podem aparecer normais.

• SDMA é mais sensível e específico que a creatinina para diagnóstico e monitoramento da IR.
• Dá ao veterinário a oportunidade de alterar o curso da doença renal e aumentar a expectativa de vida de seus pacientes.
• Pode ser usado para monitorar e avaliar o tratamento da doença renal.
• É realizado pelo VetLab com exclusividade no Brasil.
. Mais do que 75% da função renal deve estar perdida antes de haver aumento de uréia e creatinina. A SDMA aumenta quando menos de 50% da função renal está comprometida.
.SDMA não sofre interferências comuns de ocorrer na creatinina como massa muscular e alimentação.

O Veterinário não precisa esperar pelos sinais clínicos de azotemia antes de diagnosticar uma doença renal. Você pode detectar uma doença renal antes que seus pacientes se tornem azotemicos. SDMA, por ser um teste quantitativo, te dá à possibilidade de monitorar o curso da doença e avaliar a resposta do animal ao tratamento.
Os sinais de doença renal são vagos, inespecíficos e podem ser difíceis de identificar antes que o animal se torne azotemico.
• Um diagnóstico precoce de doença renal garante uma melhor qualidade de vida e um melhor prognóstico para seu paciente.
• O proprietário pode verificar a eficiência do tratamento através de monitoramentos sequenciais da SDMA.

Perguntas e respostas
-Qual é o significado de um aumento na concentração plasmática de creatinina?
A concentração de creatinina é geralmente interpretada apenas do ponto de vista da eliminação renal, isto é, a creatinina plasmática aumenta quando há diminui da função renal, mas a hipercreatininemia moderada pode também ser explicada por:
-Produção muscular elevada de creatinina, especialmente em raças de cães com grande massa muscular- a produção muscular não altera a SDMA;
-A absorção intestinal de creatinina exógena – isso não ocorre com SDMA.
Interferências analíticas: Hemólise não tem efeito sobre SDMA, mas pode alterar significativamente o valor da creatinina, dependendo do método utilizado. Se o ensaio é baseado na reação colorimétrica de Jaffé (ainda largamente utilizados na maioria dos laboratórios, mas não no VetLab), as concentrações elevadas de bilirrubina, lipídios e glicose podem interferir com creatininemia e conduzem a resultados errados. As cefalosporinas podem aumentar os valores de creatinina no plasma determinados pelo método colorimétrico em até 50%. (o VetLab utiliza a técnica enzimática). A SDMA não sofre interferência destes fatores.

Que fatores fisiológicos afetam a concentração de creatinina?
Peso corporal: Nenhuma relação clara é aparente, mas grande massa muscular pode explicar a concentração de creatinina moderadamente elevados de plasma. Em contraste, a atrofia muscular em caquexia pode diminuir os valores de creatinina no plasma. A SDMA não é alterada pela massa muscular.
Alimentação: A ingestão de alimentos é uma causa potencial da variação da concentração de creatinina. Aumento de creatinina no plasma (até 50%) pode ser observado uma a quatro horas após uma refeição, especialmente quando carne cozida é utilizada. Este aumento é explicado pela absorção intestinal de creatinina exógena gerada a partir de creatina muscular durante a cozedura. Isso não ocorre quando se analisa a SDMA.

Creatinina é sensível o suficiente para detectar a disfunção renal?
Sim, mas algumas limitações devem ser mantidas em mente:
A relação entre a creatinina e a Taxa de filtração glomerular (TFG) é curvilínea, o que significa que a TFG pode diminuir rapidamente nos estágios iniciais de insuficiência renal, sem grandes aumentos na creatinina plasmática (ou variações somente dentro do intervalo de referência e, portanto, potencialmente considerado clinicamente irrelevante), e, por contrário, creatinina plasmática pode aumentar drasticamente nos últimos estágios, com descidas ainda modestos em TFG. A SDMA possui uma melhor correlação com a taxa de função glomerular.

A concentração plasmática de creatinina pode ser interpretada de duas maneiras diferentes:
1. Comparação de um valor único e isolado a partir de um determinado cão para o intervalo de referência. Esta abordagem é frequentemente a única disponível, mas não é o ideal. Intervalos de referência têm sido geralmente mal definidos em um número limitado de animais e pode variar muito entre os países e ensaios. Hipercreatininemia identificada a partir de uma única amostra não significa necessariamente que a disfunção renal está presente, mas certamente indica a necessidade de outros exames (SDMA, EAS, PU/CU, etc) a fim de avaliar a função renal e doença.

2. Comparação do valor obtido em um determinado momento em um determinado cão para outro valor obtido no mesmo cão em um momento anterior. Se as condições são padronizadas (mesma técnica, cão em jejum, etc), esta é provavelmente a melhor maneira de monitorar a função renal ao longo do tempo. Um aumento ou uma diminuição de creatinina geralmente indica uma diminuição ou um aumento da função renal, respectivamente. Esta abordagem é particularmente recomendada em animais com insuficiência renal ou para detectar precocemente efeitos nefrotóxicos de drogas. Determinação da concentração de creatinina plasmática deve ser realizada como parte de qualquer programa de monitoramento de rotina no cão.